decorational arrow Tratamentos   decorational arrow Conselhos de um perito   decorational arrow Tratamento da obesidade | 2 min. leitura

Opções cientificamente comprovadas de controlo do peso

Quer se trate de terapia comportamental, medicamentos antiobesidade ou cirurgia bariátrica, existem várias formas de tratar a obesidade. Um profissional de saúde qualificado pode ajudá-lo a criar um plano de controlo de peso adaptado a si, combinando vários tratamentos que funcionam de formas diferentes.

A obesidade é uma doença complexa com muitas causas. É por isso que, de acordo com o Professor Arya Sharma: “Não existe uma estratégia única de tratamento que funcione para todos os doentes.” O Professor Sharma é diretor científico da Obesity Canada, nos últimos 20 anos especializou-se no tratamento da obesidade.

“Qualquer plano de tratamento de sucesso envolve estratégias a longo prazo que ajudam os doentes a reduzir o seu peso corporal e a evitar que voltem a recuperá-lo”, acrescenta. As pessoas com problemas de obesidade necessitam de um plano de tratamento personalizado.

O plano pode incluir várias opções de tratamento. À medida que avança no seu programa de controlo do peso, alguns tipos de tratamento podem tornar-se mais ou menos relevantes. É por isso que o seu plano de controlo do peso deve ser adaptado às suas necessidades e pode evoluir ao longo do tempo.

Encontrar um profissional de saúde que tenha formação em obesidade é o primeiro passo. Cada vez mais profissionais de saúde compreendem a ciência subjacente à doença e sabem como tratá-la eficazmente, por isso não desista se demorar algum tempo a encontrar o profissional mais adequado. Se não souber como iniciar a conversa com o seu profissional de saúde, este guia pode ajudá-lo.

A obesidade é uma doença complexa com muitas causas e sem uma abordagem única de tratamento que funcione para todos.

-Freedhoff Y. & Sharma A.M. Best Weight, A practical guide to office-based obesity management, Canadian Obesity Network 2010

Vejamos algumas das opções de tratamento cientificamente comprovadas que os profissionais de saúde podem usar. *

Alimentação saudável - Compreender "Como" e "Porquê" no que diz respeito à
sua relação com os alimentos

Esqueça as dietas milagrosas. No que diz respeito à obesidade, alterar a forma como come significa muito mais do que ingerir menos calorias. Por isso, ao desenvolver o seu plano de controlo de peso, o seu médico deverá ter em consideração os seus padrões de alimentação.

Por exemplo, existe uma hora específica do dia em que corre maior risco de comer excessivamente ou de comer alimentos pouco saudáveis?

Onde costuma comer? Come quando se sente cansado, stressado ou triste? Sente-se saciado após as refeições? Estas perguntas fornecem pistas para o ajudar a ter uma relação mais saudável com os alimentos.

Aumento da atividade física

Não precisa de correr uma maratona todos os dias. Para começar, acrescentar apenas algum movimento extra à sua vida quotidiana já pode ser significativo. Se passa muito tempo sentado durante o dia, levantar-se e movimentar-se durante alguns minutos a cada hora pode fazer a diferença. Caminhar ou usar as escadas, sempre que possível, também.

O importante é encontrar formas aprazíveis de se manter fisicamente ativo todos os dias. O objetivo é conseguir fazer 150 minutos de atividade física por semana. Faça-o lentamente, adicionando gradualmente novas atividades de que goste e que consiga manter ao longo do tempo.

Terapia comportamental

O nosso corpo e mente estão profundamente ligados. Os terapeutas comportamentais trabalham os aspetos psicológicos do controlo do peso, ajudando-o a identificar padrões de pensamento, emoções e comportamentos que promovem a ingestão de alimentos e o consequente aumento de peso, que podem ser a ingestão de grandes porções  e/ou petiscos frequentes e/ou comer/beber quando não está com fome.

Aqui, o foco está em capacitá-lo a desenvolver competências para alterar estes padrões e ajudá-lo a manter a perda de peso e os ganhos de saúde.

Substitutos de refeições/dieta de fraca energia

Os substitutos de refeições são produtos com calorias controladas que contêm nutrientes, vitaminas e minerais essenciais. São normalmente ricos em proteínas e pobres em gordura e hidratos de carbono.

Podem fazer parte de um plano de dieta supervisionado clinicamente, que envolva substituir uma ou mais refeições por dia por alimentos ou fórmulas que forneçam um número específico de calorias, por exemplo, entre 800 a 1200 calorias por dia.

Medicamentos antiobesidade

Tal como não podemos controlar a nossa temperatura corporal com o poder da nossa mente, também não podemos controlar conscientemente alguns dos processos biológicos que afetam o nosso apetite. É aqui que os medicamentos antiobesidade desempenham um papel importante, ao atuarem nestes diferentes processos.

Diferentes medicamentos funcionam de formas diferentes. Alguns medicamentos antiobesidade ajudam a regular o apetite e a reduzir as porções de alimentos ingeridas. Isto ajuda-o a comer menos e facilita alterações ao estilo de vida.

Os medicamentos antiobesidade também podem ajudar a prevenir o reganho de peso, controlando as respostas biológicas do seu organismo à perda de peso, como o aumento persistente da fome. Outros medicamentos ajudam-no a perder peso alterando a forma como o seu organismo absorve os alimentos. Por exemplo, diminuindo a quantidade de gordura absorvida pelo seu corpo.

Cirurgia bariátrica

De um modo geral, estas cirurgias reduzem o apetite e a quantidade de alimentos que uma pessoa pode comer confortavelmente de uma só vez. Além disso, produzem alterações metabólicas e hormonais comprovadas, que desempenham um papel importante na regulação do peso. Estas alterações hormonais ajudam a evitar a recuperação de peso.

A professional in a grey jacket taking some notes and talking to a patient; office

Encontrar tratamentos que funcionem para si

O seu médico consegue ajudá-lo a criar um plano de controlo de peso personalizado. No entanto, não pode prever como irá responder aos diferentes tratamentos que recomenda. Somos todos diferentes, e isso significa que a nossa resposta aos tratamentos também será altamente individualizada.

É por isso que o seu médico poderá ajustar o seu plano de controlo do peso ao longo do tempo, dependendo da resposta do seu corpo e das suas necessidades de saúde.

A manutenção do peso

Independentemente das abordagens usadas no seu plano de controlo do peso, em determinado momento a perda de peso vai parar e estagnar. Vai atingir um planalto. Esta é uma fase inevitável do processo da perda de peso que pode levar a frustração e desmotivação.

A estagnação do peso é, no entanto, o resultado de adaptações naturais à perda de peso (em termos evolutivos, a perda de peso não é boa para a sobrevivência e reprodução). O organismo reage gradualmente e frequentemente, aumentando o consumo de alimentos, bem como abrandando o gasto energético. Estudos demonstram que este processo pode durar anos. Não admira que 8 em cada 10 pessoas acabem, a longo prazo, por recuperar peso o perdido. Esta é mais uma prova de que, apesar das nossas melhores intenções, a nossa biologia tem muitas vezes a sua própria agenda, determinada por milhões de anos de seleção natural.

As pessoas que passam por esta experiência referem: “Qual é o objetivo? Isto já não está a funcionar!” ou “Não consigo sair desta situação. Como os meus esforços já não produzem resultados, o melhor é parar".

No entanto, o que muitas vezes não percebemos é que manter a perda de peso é um esforço igualmente tremendo e um grande sucesso, tendo em conta tudo o que está em jogo. É por isso que muitos médicos sugerem que as manutenções de peso devem ser celebradas.

E lembre-se que os tratamentos que está a fazer podem estar a trabalhar nos bastidores para "dominar" a biologia, mesmo que não veja os resultados na balança. Mas e se a perda de peso que alcançou não for suficiente para ver melhorias na saúde ou na sua qualidade de vida? Ainda assim, deve ficar igualmente orgulhoso dos esforços e determinação investidos para chegar onde está hoje. Continue o bom trabalho e marque uma consulta com o seu médico para rever o seu plano de controlo de peso e perceber se a abordagem de tratamento tem de ser intensificada ou ajustada.

* Alguns tratamentos podem provocar efeitos secundários. Esta informação não deve ser entendida como aconselhamento ou recomendações de tratamento. Consulte sempre o seu profissional de saúde para aconselhamento sobre o tratamento.

PT21CO00003

Referências
  • Puhl RM & Heuer CA. Estigma da obesidade: Considerações importantes para a saúde pública. American Journal of Public Health 2010; 100:6:1019-1028.
  • Freedhoff Y. & Sharma A.M. Best Weight – A practical guide to office-based obesity management. Canadian Obesity Network 2010.
  • Wadden TA et al. Overview of the Treatment of Obesity in Adults. In: Thomas A. Wadden & George A. Bray (eds.). Handbook of Obesity Treatment. New York: Guilford Press 2018;283-308.
  • Kushner RF & Kahan S. The Emerging Field of Obesity Medicine. In: Thomas A. Wadden & George A. Bray (eds.). Handbook of Obesity Treatment. New York: Guilford Press 2018;413-452.
  • Berthoud H, Münzberg H., & Morrison, C.D. Blaming the brain for obesity. Gastroenterology 2017;152(7):1728-1738.
  • American Association of Clinical Endocrinologists. Empower your health: Guide to physical activity: https://www.empoweryourhealth.org/sites/all/files/EmPower-Physical-Activity-Guide.pdf [Accessed July 2019].
  • Gomez-Rubalcava S, Stabbert K & Phelan S. Behavioral Treatment of Obesity. In: Thomas A Wadden & George A Bray (eds.). Handbook of Obesity Treatment. New York: Guilford Press 2018.
  • Forman E & Butryn M. Effective Weight Loss: An Acceptance-Based Behavioral Approach - Treatments That Work (Workbook Ed.). New York: Oxford University Press 2016.
  • Butryn ML, Webb V & Wadden TA. Behavioral treatment of obesity. Psychiatric Clinics 2011; 34(4):841-859.
  • Li M & Cheung BMY. Pharmacotherapy for obesity. British Journal of Clinical. Pharmacology 2009; 68:804–810.
  • Stefanidis A & Oldfield BJ. Neuroendocrine mechanisms underlying bariatric surgery: Insights from human studies and animal models. Journal of Neuroendocrinology 2017; 29:e12534.
  • Schmidt JB et al. Effects of RYGB on energy expenditure, appetite and glycaemic control: a randomized controlled clinical trial. International Journal of Obesity 2016; 40:281–290.
  • Xulong S et al. From Genetics and Epigenetics to Precision treatment of obesity: Gastroenterology Report 2017; 5(4):266–270.
  • Vanwormer FM et al. Weight-Loss Outcomes: A Systematic Review and Meta-Analysis of Weight-Loss Clinical Trials with a Minimum 1-Year Follow-Up. J Am Diet Assoc. 2007. 107:1755-1767.
  • Rosenbaum M et al. Long-term persistence of adaptive thermogenesis in subjects who have maintained a reduced body weight. Am J Clin Nutr. 2008; 88:906–912.
  • Schwartz A & Doucet É. Relative changes in resting energy expenditure during weight loss: a systematic review. Obesity Reviews. 2010; 11:531–547.
  • Hall KD & Kahan S. Maintenance of lost weight and long-term management of obesity. Medical Clinics of North America 2018; 102(1):183-197.
  • Tsai AG & Wadden TA. Treatment of Obesity in Primary Care. In: Thomas A Wadden & George A Bray (eds.). Handbook of Obesity Treatment. New York: Guilford Press 2018; 453-465.

Artigos relacionados

Obesidade e COVID-19: Mantenha-se seguro e focado
decorational arrow Pandemia | 3 min. leitura

Obesidade e COVID-19: Mantenha-se seguro e focado

No último ano, o mundo foi atingido pelo surto global da doença COVID-19 (coronavírus). Foi pedido a milhões de pessoas para ficarem em casa, muitas vezes sem poder ver familiares e amigos.